link href='data:image/x-icon;base64 Blog do Fantasma - Notícias
Postado por Elisete XNS sexta-feira, 29 de janeiro de 2010 às 05:53

Image Hosted by ImageShack.us


Image Hosted by ImageShack.us



Rio Branco estraga reencontro do OFEC com a torcida


No primeiro jogo de 2010 no Germano Kruger, Leão espanta Fantasma e decreta segunda derrota seguida do time de Vila Oficinas

Por Emmanuel Fornazari. Net Esporte Clube

Tinha tudo para ser uma grande festa. Depois de quinze anos, o Operário voltava a jogar no Germano Kruger pela primeira divisão do Campeonato Paranaense. A torcida compareceu em massa. Um total 7.320 mil torcedores compraram ingresso para prestigiar o Fantasma, deixando o jogo com o segundo melhor público do campeonato em quatro rodadas.

Porém, o Rio Branco buscava sua reabilitação após duas derrotas seguidas. O time de Paranaguá se plantou na defesa, esperando as subidas do Operário ao ataque. Com uma forte marcação ao redor da sua área, o Leão da Estradinha neutralizava com certa facilidade as investidas do Fantasma e saía perigosamente para o contra-ataque.

Aos 10 minutos do primeiro tempo, em mais uma roubada de bola, o zagueiro do OFEC, João Renato, vacilou e Vinícius, camisa nove do Rio Branco, arrematou para o fundo da rede.

Após o gol, o time de Vila Oficinas tentou se reorganizar e partir para o ataque. Em uma das poucas chances, Dyego Souza - igual ao jogo ante o Cianorte - demorou para finalizar e perde uma boa chance de empatar o jogo.

Até que, aos 25 minutos, em saída rápida, o lateral esquerdo do Rio Branco, Nelsinho, surpreende o goleiro Danilo do Operário e marca do segundo gol do Leão. Jogado típica, na qual não se sabe se o jogador quis cruzar ou chutar para o gol.

Depois do segundo gol sofrido, o Fantasma não conseguiu se acertar em campo e criou poucas chances. Com um defesa coesa, o Rio Branco aproveitava mais uma investida em vão do Operário e armou outro contra-ataque. Antes mesmo da defesa operariana se recompor, Vinícius acerta um belo chute de longe para aumentar o placar.

Quando o final do primeiro tempo se aproximava, Marquinho derrubou Digão do Operário dentro da área. O juiz Ronaldo Parpinelli marcou pênalti. Serginho Catarinense mandou no canto, sem chances para o goleiro Alexandre.

Quando o autor do gol e capitão do Fantasma tentou pegar a bola dentro do gol e levá-la rapidamente até o meio campo, o goleiro do Leão o impediu e a confusão começou. Os jogadores se desentendem, foram seperados pelos colegas de equipe e dirigiram rapidamente para o vestiário. Então, antes do reinicio da partida, o árbitro chamou Serginho Catarinense e Alexandre e expulsou os dois jogadores.

Reação incompleta deixa torcida no quase

Com um jogador a menos em cada equipe, e com o meia Ceará no lugar de Silvão, o Operário volta melhor para o segundo tempo. Mesmo deixando ainda espaço para o contra-ataque do Rio Branco, o Fatasma domina quase toda a segunda etapa. Porém, os jogadores pecam no último passe.

Quando uma boa oportundiade aparece, como as 25 minutos do segundo tempo, Juninho domina na frente do goleiro e manda a bola na arquibanca, para desespero da torcida.

Aos 35, Noberto Lemos tira o zagueiro Grafite e coloca mais um homem de ataque, o estreiante Erivaldo. Entretanto, a substituição não resulou na melhora da produtividade do setor ofensivo da equipe. O Fanstama só conseguiu rondar a área do time de Paranaguá.

Quando a torcida já estava perdendo a paciência e ensaiando uma vaia ao time, o lateral direito Lisa prendeu a bola dentro da área do Rio Branco até ser derrubado pelo goleiro Juan, aos 44 minutos do segundo tempo.

Erivaldo bateu o pênalti e o goleiro Juan espalma na trave, para agonia da torcida do Operário. Porém, no rebote, o estreiante não desperdiçou e fez o segundo do Fantasma.

A empolgação tomou conta do estádio. O Operário foi com tudo para o ataque, sem muita organização, e não conseguiu criar nenhuma oportunidade real de gol. Com somente um minuto de acréscimo, Ronaldo Parpinelli apitou o final do jogo.

Na saída do campo os jogadores tentaram explicar a derrota. "Nós tomamos dois gols improváveis no primeiro tempo. Esse tipo de lance não acontece todo jogo. Só que temos que erguer a cabeça e pensar no próximo jogo", explicou o zagueiro João Renato.

Erivelto, autor do segundo gol de pênalti do Operário, minimizou a importância de ter feito um gol logo na sua estreia, e preferiu exaltar a luta para tentar reverter a situação. Consegui fazer o gol, mas estou triste. Preferia não ter marcado e time ter saído com a vitória. Mas a equipe está de parabéns, lutamos até o final!", analisa o estreiante Erivaldo.

O próximo jogo do Fantasma acontece neste domingo, às 16h, fora de casa, contra o Iraty. O Equipe Net Esporte Clube acompanha a partida, postando Lance a Lance do quinto jogo do Operário Ferroviário no Campeonato Paranaense.




Image Hosted by ImageShack.us

Image Hosted by ImageShack.us